1

1
Fachada Ocidental da Estação Caminho de Ferro do Valado dos Frades!

terça-feira, 31 de julho de 2012

Borda d´Água...Agosto


Mais um mês...mais uma preciosa colaboração do amigo Borda d´Água.
Há como sempre um manancial de conselhos e conceitos que o empirismo de décadas levaram a compilar!
Tudo certo?
Tudo errado?
Nem uma coisa nem outra, mas...alguma bem aproveitável!

Provérbios (alguns) de Agosto:

Em Agosto orvalho no rosto.
Em Agosto queima-se o carro e o carril.
O mês de Agosto será se for bonito o 1 de Janeiro.
Em Fevereiro chuva em Agosto uva.
Pelo S. Lourenço, vai à vinha e enche o lenço.
O Verão colhe e o Inverno come.
Agosto amadurece e Setembro vindime-se.
Quem não debulha em Agosto, debulha com mau gosto.
Agosto chuvoso, dá força à vida.
Em Agosto aguilhoa o preguiçoso e sê cuidadoso.
Em Agosto apanha macela, que livra da botica o uso dela.
Em Agosto ardem os montes e secam as fontes.
Em Agosto dá o sol pelo rosto.
Em Agosto deve o milho ferver o carolo.
Em Agosto espingarda ao rosto.
Em Agosto há bulha o preguiçoso.
Em Agosto malha a teu gosto.
Em Agosto palhas ao palheiro, meninas ao candeeiro.
Em Agosto secam os montes, em Setembro as fontes e o Outubro seca tudo.
Em Agosto toda a fruta tem o seu gosto.
Em Agosto vale mais vinagre que mosto.
Em Agosto, aguilhoa o preguiçoso.
Em Agosto, nem vinho, nem mosto.
Em Agosto, sardinha e mosto.
Em dia de S. Lourenço (10 de Agosto), vai à vinha e enche o lenço.
Junho, Julho e Agosto, senhora, não sou vosso.
Lá vem Agosto com os seus santos ao pescoço.
Lua nova de Agosto carregou, lua nova de Outubro trovejou.
Luar de Agosto, dá-lhe no rosto.
Luar de Janeiro não tem parceiro, senão o de Agosto, que lhe dá de rosto.


1º Jornal da Biblioteca Instrução e Recreio


Esta é a 1ª página do jornal nº 1, publicado pela B I R.
Aconteceu em 1988, é uma edição fotocopiada, é manifestamente um projecto que enferma de algumas dificuldades, certamente económicas, mas que tem uma grande virtude...pela primeira vez acontece no Valado um projecto deste género.
Folheá-lo traz-nos entrevistas, uma pequena história sobre a origem da B I R, um alinhavar de problemas colocados ao Valado, um espaço dedicado aos mais jovens, desporto, poesia e alguma publicidade a casas comerciais do Valado.
Certamente que os promotores desta ideia gostariam que ela ganhasse raízes e se consolidasse numa periodicidade interessante!
Um projecto desta natureza debate-se sempre com entraves de toda a ordem, e...essa periodicidade não tem sido conseguida.
É pena...o Valado continua sem um jornal...a semente está aqui.
Quando frutificará?

domingo, 29 de julho de 2012

Stick Bac


Em 30 Junho 1960, a revista Crónica Feminina "brindava" as suas leitoras com este sugestivo anúncio monocromo...a uma nova realidade que começava a dar os primeiros passos em Portugal!
Far-nos-á sorrir a esta distância, mas mais interessante é avaliarmos...por comparação, a profusão e a qualidade da publicidade parra os dias de hoje!
...e não se esqueça...peça sempre Bac!

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Arlindo Rodrigues Varela


Arlindo Rodrigues Varela nasceu no Valado no dia 20 de Maio de 1865, era filho do Prof. Rodrigo Varela, o 1º Professor da instrução primária no Valado.
Trabalhador, estudioso e inteligente, elevou-se até Professor da Escola Normal de Lisboa, onde era respeitado pelos seus colegas e alunos.
O mesmo respeito e consideração  lhe dedicavam os Valadenses, quando nas suas férias vinha à sua terra.
Conversava com todos, sempre com palavras simples para que o compreendessem.
Tinha como passeio matinal o Alto do Seixo, local preferido pela quietude que emanava - e aos seus pés pinheiros, urzes e rosmaninho, areia e seixos, para mais além se misturarem vinhas, oliveiras, cearas com papoilas.
Na meia encosta a aldeia do Valado e a seguir aos choupos do rio da Areia, que limitam o horizonte onde começam os vastos campos de milho, que chegam até à Maiorga e à Barca.
Foi neste cenário maravilhoso, onde o ar é puro e tudo é belo, que Arlindo Varela passou muitas horas, lendo, estudando e admirando as belezas da natureza.
Foi ele que designou o lema - "Luz, sempre mais luz" - que esteve na primeira bandeira da B I R.
Publicou livros que o tornaram muito conhecido no país.
BIBLIOTECA PEDAGÓGICA:
- Como Lina aprendeu a escrever e a ler;
- Autodidactica;
- A Pedagogia, o Estado e a Família;
- Princípios da Pedagogia Geral;
- Traços Gerais da História da Pedagogia;
- Resumo de Estatística;
- Exercícios de Análise Gramatical;
- Postilas Gramaticais para o Estudo da Língua Portuguesa;
- História Abreviada dos Descobrimentos e Conquistas dos Portugueses;
- Leituras Escolares (Colaboração de Silva Barreto)
Foi o tradutor do grande Educador italiano, PAULO MONTEGAZZA, de se destacam:
- Arte de ser Feliz;
- O ano 3000;
- Cartas de Psicologia Pedagógica;
- A Alma das Coisas;
- O Livro das Melancolias;
- O Amor;
- Pensamentos;
- Fisiologia do Belo;
- O Elogio da Velhice;
- No Mundo das Coisas Belas.
Arlindo Varela foi grande admirador de Latino Coelho, tendo reunido as poesias inéditas em livro a que deu o nome - "Latino Coelho - Poeta e Amoroso".
Foi ainda membro do Conselho Superior de Instrução Pública e Professor nas Escolas Centrais de Lisboa.
Faleceu em Lisboa no dia 22 de Outubro de 1934, tendo o seu corpo sido transportado para o Valado, onde se encontra enterrado no cemitério local.
Na Biblioteca Instrução e Recreio, em 28 de Julho de 1946, foi prestada uma Homenagem Pública ao Prof. Arlindo Varela, de que se publicou um opúsculo muito interessante focando precisamente a sua vida e obra - que colocarei neste blog.
O Prof. Arlindo Varela...foi uma figura ímpar do Valado!


sábado, 21 de julho de 2012

Simples


Por vezes descobrimos que afinal as coisas não são assim tão complicadas.
Ao ver a imagem...confirmamo-lo!

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Morte do rio de Longe


A 1ª. imagem revela-nos um tempo de tradição...comunhão talvez!
São tempos difíceis...de vida suada!
A 2ª. imagem foi colhida no mesmo local...hoje mesmo.
Não ouso tecer nenhum comentário...cada um que o faça!


domingo, 8 de julho de 2012

Orçamento Geral da Junta Paroquial de Valado dos Frades 1878 - 1879


As imagens mostram o mapa do Orçamento Geral da Receita e Despesa da Junta de Paróquia da Freguesia de Valado dos Frades, para o ano económico 1878 a 1879.
Relativamente às receitas, verifica-se que elas provêm de cobrança de rendas, esmolas obtidas pelos Irmãos do Santíssimo Sacramento e ofertas nas festas.
As despesas são as que resultarem das compras  de vinho e hóstias para as missas, azeite e lamparinas, preparar as roupas, compra de cera, incenso, santos óleos, livros de registo, 2 missas obrigatórias e vencimento do escrivão.
No fim teríamos uma receita de Rs 20:215 e uma despesa de Rs 19:360, de que resulta um saldo de Rs 00:855.
Transferindo para a moeda corrente, seriam 10,10 cêntimos de receita, 9,68 cêntimos de despesa e o lucro seria de 0,42 cêntimos - quase meio cêntimo.
Estamos a comparar uma situação com mais de 130 anos de diferença...que diferença!
 

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Shampoo Sunsilk


A 30 Junho 1960, a Crónica Feminina, publicitava este shampoo!
Já colorido e simplista, hoje seria "adornado" por não sei quantos intervenientes nas mais dispares "atitudes"!
Por vezes...há exageros!

terça-feira, 3 de julho de 2012

O Comboio e a Caseta

No centro da imagem a Caseta, no começo do vale tifónico, e no fim da ladeira da Quinta

A Ladeira da Quinta, que já abordei neste sítio onde enumerei o seu valor e riqueza, em termos da vivência Valadense, tinha no entanto mais alguns pormenores de interesse.
Quando chega ao vale, atravessa a Ponte do rio da Areia, para logo de seguida passar a linha do Caminho de Ferro.
Era aqui que se situava a Caseta.
Não se podia passar a linha se as cancelas estivessem fechadas…prova de perigo pela aproximação dum comboio.
Mas quem comandava estas cancelas eram funcionários do Caminho de Ferro, que viviam nessa pequena casa, a Caseta.
Eram eles que sempre atentos nos precaviam dos perigos eminentes.
Hoje…já não há Caseta…mas há uns semáforos um pouco dissimulados e…que não sei se sempre funcionam!
...Também quase não há comboios!
Ganhámos em tecnologia…mas falta-nos talvez a certeza de tudo estar bem!

Panorâmica do conjunto, tirada do lado doBárrio