1

1
Fachada Ocidental da Estação Caminho de Ferro do Valado dos Frades!

domingo, 31 de agosto de 2014

Alcunhas do Valado - 1º Volume


Este é um dos livros mais interessantes publicados no Valado.
É seu autor o Amaral Paiva, que ao longo de 80 deliciosas páginas nos dedica cerca de 240  estrofes de 10 versos, caricaturando dum modo especial as famílias e as pessoas conhecidas no Valado pelas respectivas alcunhas.
É um trabalho de grande valor histórico e cultural, que vai permitir que muita da nossa realidade não desapareça na voragem do tempo.
Mas o Amaral, não se limita a "cantar" em verso a génese da alcunha, identifica no final através de anotações a quem efectivamente ela corresponde.
É uma primeira abordagem dum tema...de que esperamos a continuação!

Hélio Matias 

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Joaquim Vieira Natividade e a Cultura do Milho


Já por diversas vezes fiz referência à agricultura praticada nos férteis campos do Valado, neste Vale Tifónico de condições excepcionais para a produção agrícola.
Mas no texto que recortei dum livro do Eng. J. Vieira Natividade, fala-nos ele de como se processava e o que se cultivava, há cerca de 70/80 anos nesses mesmos campos.
É um documento interessante, porque o seu autor é uma autoridade intocável neste tema e relata dum modo ao mesmo tempo científico...mas também numa linguagem rural, de como tudo e porquê acontecia.
Claro que a evolução das mentalidades ligada aos desafios que se iam colocando, acabou por fazer desaparecer este mundo agrícola.
...e claro que por arrastamento e pelas mesmas causas ao desaparecimento do moinho de vento e dos vários moinhos de água existentes.
A evolução trouxe-nos novas realidades, mas também ...a perda de um tempo que não retomaremos!

Hélio Matias

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Fonte dos Ribeiros


A Fonte dos Ribeiros, é assim conhecida precisamente por se situar nos terrenos conhecidos por Ribeiros.
Inserida em pleno pinhal, paredes meias com a lagoa Seca, era um aconchego para os agricultores a trabalhar nos Ribeiros, e que a procuravam para se dessedentarem.
Em anos de algum excesso de água, esta escorria para "tentar abastecer" a própria lagoa Seca.
Hoje, quando o matagal cresceu e os campos correm (?) o risco de abandono, o seu destino parece correr inexoravelmente para o desaparecimento, e com as novas acessibilidades...zona industrial...não sei se esse não será o seu fim.
As coisas, muitas coisas, parecem não merecer qualquer valorização...porquê?!

Hélio Matias

domingo, 24 de agosto de 2014

sábado, 23 de agosto de 2014

Baile de Carnaval, anos 50 - Clube Recreativo Beneficente Valadense


O Carnaval no Valado teve sempre uma tradição de folguedo e boa disposição, que se prolongava desde as pequenas brincadeiras do porta à porta...ao deambular pelas ruas de mascarados trapalhões...até aos bailes nas colectividades.
E aqui o Clube tinha a primazia em relação a todas as outras.
Eram 3 noites e uma matiné na 3ª feira...sempre de casa cheia !
Eram bailes familiares, no sentido de que geralmente as famílias se deslocavam "em peso" com filhos mesmo de tenra idade!
Eram bailes de tal modo "famosos" que também famílias das redondezas e por vezes de bem longe não deixavam de comparecer!
Eram bailes onde imperavam a boa disposição...as partidas de Carnaval...os mascarados...as ceias partilhadas...enfim um espírito de solidariedade e amizade inquestionáveis e inultrapassáveis!
Com as mudanças no modo de viver...tudo se foi alterando...a espontaneidade das pessoas e...os bailes são "fantasmas" dum tempo que não voltará.
A imagem colocada remonta à década de 1950...com a sala do Clube Recreativo Beneficente Valadense repleta!
A saudade dum tempo que não retorna é somente...uma "foto-finish" que reservamos no nosso álbum!

Hélio Matias

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Conjunto Musical Valadenses


As actividades culturais estiveram sempre presentes na vida dos Valadenses.
Teatro, visionar cinema, rancho folclórico...conjuntos musicais.
O Conjunto Musical Valadenses, está nesta fotografia a actuar no Clube, durante um almoço de homenagem ao Dr. Manuel Collares Pereira - voltarei a este assunto.
Da esquerda para a direita: Joaquim Venâncio, José Lota, Manuel Chapita, José Marques Ratinho, António Chapita, José Boleixa e Manuel Pires - em 9 de Fevereiro de1958.
Eram tempos de muito sacrifício, mas que ainda deixavam "espaço" para estas manifestações culturais...com ensaios durante as noites, em condições precárias, mas mesmo assim...mantiveram-se por muitos anos! 

Hélio Matias

domingo, 17 de agosto de 2014

Começo das Reuniões da Junta



Interessante esta Acta da Junta de Freguesia, da reunião feita em 4 de Outubro de 1891.
A Junta reuniu-se especificamente para discutir a hora das reuniões.
Pelo sr. presidente foi dito que "as reuniões da Junta são aos Domingos às 7 (sete) horas da manhã, mas como isso provocava alguns incómodos, propunha que...".
Às 7 da manhã de Domingo!
Toda esta gente, era gente de trabalho, mas o esforço e sacrifício que faziam leva-nos a pensar que se encontravam ali com um espírito de missão.
Os tempos são outros e a 120 anos de distância muita coisa mudou, lógico...mas também o espírito de missão!

Hélio Matias

sábado, 16 de agosto de 2014

Suporte de Candeeiro Iluminação Pública a Petróleo


Esta imagem remonta a Abril de 1995, e penso que mais nenhuma já existe...nem ela própria.
É um suporte de candeeiro a petróleo para iluminação.
Todos os dias, certamente ao anoitecer, um funcionário munido com uma escada e petróleo abastecia os candeeiros e acendia-os.
Depois era esperar que o combustível durasse muito tempo, pois quando ele acabasse...o candeeiro apagava-se até nova operação na noite seguinte.
É evidente que a luz não estava à distância de um clic...mas à distância duma escada!

Hélio Matias

sábado, 9 de agosto de 2014

Marco Fontenário



O Valado atravessou na sua vivência alguns momentos díficeis, em situações que hoje nos farão sorrir.
E um deles era efectivamente a dificuldade em obter água potável, havendo uma "corrida" bastante intensa aos poços e nascentes naturais, que se encontravam no campo.
Afora estas situações, foi a pouco e pouco sendo instalada uma rede de fontes públicas que tentavam minimizar as grandes necessidades da população.
A notícia transcrita do jornal Semana Alcobacense em 1899, mostra bem a generosidade de quem mais pode em favor dos Valadenses.
Aqui mais uma atitude de Carlos O´Neill...de registar!

Hélio Matias

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Junta de Freguesia


Durante muitos anos a sede da Junta de Freguesia, "estacionou" por diferentes locais, quase sempre casas de aluguer, com toda uma série de contingências.
Finalmente o jornal Ecos do Alcoa publicava a notícia no dia 30 de Abril de 1944, que começavam os preparativos para a construção da Sede da Junta.
Demorou algum tempo até à sua inauguração - voltarei a esta questão - mas finalmente a obra surgiu! 

Hélio Matias 

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Verdade Absoluta


Description: Description: Descripción: Descripción: D13C711F20D84F45A589290E3B4EDCA7@pc001
 
                                                   

 

A 2 de fevereiro de 1905 nasceu em S. Petersburgo a filósofa e escritora americana Alissa Zinovievna Rosenbaum, mais conhecida como Ayn Rand, falecida em Março de 1982 em Nova York.
Ficou famosa esta frase dela, que se aplica como uma luva ao que vivemos em Portugal:

"Quando te deres conta de que para produzir necessitas obter a autorização de quem nada produz, quando te deres conta de que o dinheiro flui para o bolso daqueles que traficam não com bens, mas com favores, quando te deres conta de que muitos na tua sociedade enriquecem graças ao suborno e influências, e não ao seu trabalho, e que as leis do teu país não te protegem a ti, mas protegem-nos a eles contra ti, quando enfim descubras ainda que a corrupção é recompensada e a honradez se converte num auto-sacrificio, poderás afirmar, taxativamente, sem temor a equivocar-te, que a tua sociedade está condenada.“


AYN RAND (1950)

Hélio Matias

Fábrica Produtos Resinosos


No jornal O Comércio de Alcobaça de 20 Abril 1951, era publicitada esta unidade industrial.
Estava sediada onde hoje se situa a Sodecal, logo após a Rotunda da A8, quando vamos a caminho de Alcobaça.
No Valado não existiriam grandes áreas de pinhal, como outras zonas limítrofes - Fanhais - mas o grande pinhal da Quinta do Campo, justificaria certamente esta fábrica.
Com uma vida preenchida pela agricultura, o Valado não descurou o seu empenhamento no mundo industrial, a partir do 2º quartel do séc XX...a demonstrar um espírito empreendedor!

Hélio Matias